segunda-feira, 13 de julho de 2015

Upcoming Hell Vol.14: Artista gráfico do Exodus assina capa da nova coletânea


Já está disponível a 14ª edição da coletânea virtual “Upcoming Hell”, da revista Hell Divine, apresentando novamente uma grande seleção com o melhor do Heavy Metal brasileiro. Com um total de 20 bandas, dos mais diversos estilos, a coletânea espera poder mostrar a um vasto público o quanto é rico nosso underground, sem radicalismos infundados. Do Crossover da banda gaúcha CxFxCx, ao Death Metal do Warshipper, há também o Heavy tradicional da Spartacus e o Black Metal do Patria, em lançamentos recentes que comprovam a excelente fase criativa que nossas bandas tem passado, apesar das tão conhecidas dificuldades em fazer som pesado em nosso país.
A capa foi criada pelo renomado artista Colin Marks, da Rain Song Design, que já assinou diversas capas, de bandas como Exodus, Aborted, Scar Symmetry. Jeff Loomis, Xerath, Whitechapel, dentre outras.
Para fazer o download, acesse: http://migre.me/qGrKJ

Track list da “Upcoming Hell – Vol. 14”:
1. Anthares - Pesadelo Sul-Americano
2. Bloodwork - Defecating Broken Glass
3. CxFxCx - Seja a Cena
4. Dark Slumber - Sorrowful Winter Breeze
5. Decreptor - Black Visions of My Death
6. Destruction of Bodies - In Course of Killing
7. Exhumed Christ - Warth Ov Legions
8. Frade Negro - First to D.I.E
9. Grimriot - Heart Of Darkness
10. Losna - Back To The Grotto
11. Necromancer - Plundered Society
12. Nox Spiritus - Kuthullu Surgira
13. Overdose Nuclear - R'itual
14. Patria - Symmetry of Imperfection
15. Sacrario - Time of Pestilence
16. Seeds of Destiny - Seeds Of Destiny
17. Sky in Flames - Subliminal Neurological Destruction
18. Spartacus - Na Rota Da Colisão
19. Syren - My Shadow, My Dear Friend
20. Warshipper - Absence of Colors - The Obsolete

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Fãs de Angra, suas vidas não serão mais as mesmas!

Para os aficionados em games e principalmente Angra, sua vida acaba de mudar! Pra quem pegou a época dos videogames em 8-Bits (Atari, NES, Master System), esse áudio característico faz a alegria dos marmanjos, principalmente quando traduzidas para as músicas de bandas que tanto adoramos!

Algum maluco resolveu transformar a discografia do Angra em 8-Bits. O resultado? Simplesmente ANIMAL!

Confiram como ficou a brincadeira:















13 Metal Compilation: coletânea portuguesa lança novo volume!

A HELL DIVINE tem orgulho em apoiar mais uma edição da 13 Metal Compilation!

Esta edição conta com 13 bandas portuguesas e também com outras 13 espanholas! Ao todo são 26 músicas de trabalhos lançados no primeiro semestre de 2015.

Download gratuito em Mediafire ou Facebook


Tracklist:

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Hell Divine Nº 23: Nova edição da revista está online!


A vigésima terceira edição da revista online HELL DIVINE já está disponível, trazendo como matéria de capa a banda brasileira DR.SIN

Confira as demais entrevistas:
AGE OF ARTEMIS
BIO-CANCER (Grécia)
IMMORTAL GUARDIAN (Eua)
UNMASKED BRAINS
MARMOR
DRAGONHEART
COLIN MARKS (ARTISTA GRÁFICO)

Ao todo são 56 páginas, contendo diversas colunas, além de resenhas de CDs, DVDs e shows. A revista está disponibilizada em formato PDF, mas, pode ser visualizada na tela sem necessidade de download. Para fazer o download gratuito da revista, acesse o link informado abaixo.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Dica da semana: The Ocean


Se você ainda não conhece a banda The Ocean, deveria.

Uma das bandas mais incríveis dos últimos anos. Confiram o processo de gravação do seu álbum mais recente, "Pelagial":



Review: Syren – Motordevil


Por Pedro Humangous.

Apesar do calor intenso, a chama do Heavy Metal havia se esfriado no Rio de Janeiro há alguns anos. Porém, é óbvio que não deixariam o fogo se apagar e as bandas jogaram lenha nessa fogueira, atiçando a cena novamente! De uns anos pra cá temos visto grandes bandas surgindo e ressurgindo, apresentando trabalhos excelentes. Estamos diante de mais um belo exemplo, “Motordevil” da banda carioca Syren! Liderada pelo vocalista Luiz Syren, o grupo é formado ainda por Maurício Martins (baixo), Julio Martins (bateria) e Guilherme De Siervi (guitarras). A arte da capa, no melhor estilo “Twisted Metal” (clássico jogo de videogame), já demonstra o que podemos esperar da sonoridade: uma locomotiva do inferno, pronta para te atropelar com seu Heavy Metal Tradicional, robusto, certeiro e empolgante! Lançado pela Shinigami Records, “Motordevil” traz dez faixas bem estruturadas, com uma qualidade incrível de gravação, com composições maduras, dignas de bandas veteranas. As guitarras ganharam um timbre elegante, com o peso na medida certa entre a agressividade e a melodia, o baixo encorpado contrasta perfeitamente com a bateria nervosa, sempre bem encaixada, preenchendo todo e qualquer espaço que possa ficar vazio. O destaque mesmo fica por conta dos vocais insanos do Luiz, uma voz potente e perfeita para a proposta sonora da banda – lembra muito o Bruce Dickinson em sua carreira solo. O som é ao mesmo tempo tradicional e moderno, repleto de peso e criatividade que permeiam por todas as faixas, fazendo com que a audição do disco seja prazerosa – um convite aberto ao headbanging! Minhas favoritas são “Fighter” (que riff viciante!), “Motordevil” (apesar do refrão meio confuso, conta uma introdução de tirar o fôlego) e “The Prophecy Of Marduk” (excelente música para fechar o disco). Senti falta de alguns vocais dobrados e de refrãos mais marcantes, mas de forma alguma isso prejudica o resultado final do trabalho. O caminho já está aberto e o trem desgovernado do Syren já pode passar, pois o sucesso os espera na linha de chegada! Banda com grande potencial e um belo futuro pela frente, recomendo a todos uma audição urgente desse álbum! Nota: 8,0


quarta-feira, 27 de maio de 2015

Julgando o livro pela capa

Por Pedro Humangous

Algo vem me incomodando há bastante tempo nas bandas de Melodic e Power Metal: as capas.
Sim, as capas. Mas será que alguém liga para isso?

Já dizia o velho ditado: “não julgue um livro pela capa”.

Mas em tempos modernos, onde é tudo consumido em frações de segundo, onde a venda do material físico praticamente inexiste e um tsunami de bandas invade sua tela a cada dia, como ignorar esse diferencial que é a identidade do disco?

Já foi comprovado, artes de capas mais atrativas vendem mais discos.
Se você tem uma banda e não se preocupa com isso, deveria.

Não é à toa que grandes artistas se destacaram tanto mundialmente como Gustavo Sazes, Marcelo Vasco, Andreas Marshall, Colin Marks, Caio Caldas, Carlos Fides, etc.

Mas vocês notaram que 90% das capas de bandas de Melodic e Power Metal atuais parecem todas a mesma? É simples, a maioria está sendo feita pelo mesmo cara: o colombiano Felipe Machado Franco. E a arte dele é ruim? Pelo contrário, é maravilhosa. Não seria escolhida por tantas bandas se não fosse tão boa, óbvio. O problema não é esse. O incômodo fica por conta da mesmice, pela quantidade exacerbada de bandas do mesmo segmento optando por esse estilo. Ele também não traz nada de novo, é a quase sempre mesma coisa, previsível: fundo colorido esfumaçado com algum ser centralizado e um ponto de luz.

O que deveria ser atrativo aos olhos, acaba afastando, trazendo o inevitável pensamento: “olha lá, mais uma daquelas bandas...”

Tem tanto artista bom trabalhando com tanta técnica diferente, que não consigo entender o motivo de tanta banda escolher a mesma pessoa. É um ciclo vicioso e perigoso para o próprio mercado.
Para se destacar hoje em dia, não basta ser somente bom, tem que ser diferente.

No fim, repito a pergunta: mas será que alguém liga para isso?

Concorda? Discorda? Opine!

Para quem quiser conhecer mais do trabalho do artista acesse: http://finalfrontier.thunderblast.net/covers2007.html










sexta-feira, 24 de abril de 2015

Optical Faze: Banda comemora 15 anos de carreira e lança música nova!


A banda brasiliense Optical Faze está comemorando 15 anos de existência! O presente para os fãs vem através de dois lançamentos muito especiais: o lyric vídeo para uma música inédita chamada “Svbstance”, e o primeiro DVD da carreira, que já foi para a fábrica e em breve mais informações serão reveladas!

“Svbstance” foi produzida pela própria banda, gravada no Casebre Produções Musicais, em Goiânia, e mixada pelo renomado Rhys Fülber (produziu bandas como Paradise Lost e Fear Factory), em Los Angeles.

Confiram o vídeo: 


Para ficar por dentro de tudo o que acontece com a banda e ter acesso ao conteúdo exclusivo e em primeira mão, acesse os sites oficiais da banda:

domingo, 19 de abril de 2015

Review: Crucifixion BR – Destroying The Fucking Disciples Of Christ


Por Pedro Humangous

Não tem jeito, o brasileiro gosta mesmo é de Metal mais extremo. A maioria das novas bandas caminha por esse lado (principalmente no Nordeste do país), e as antigas permanecem fiéis ao estilo – seja ele qual vertente for. Meu primeiro contato com o Crucifixion BR foi através do EP “War Against Christian Souls”, quando a banda já davas passos firmes em direção ao seu primeiro disco completo. Quase vinte anos desde a sua formação (1996), finalmente é lançado “Destroying The Fucking Disciples Of Christ”, o primeiro álbum da carreira. O grupo gaúcho é formado por Juliana Novo “Darkmoon” (bateria) e Márcio Guterres “Lord Grave War” (vocais, guitarras e baixo), e apresentam um Black Metal ríspido, veloz e agressivo, cheio de blasfêmias explícitas em suas letras. As músicas são violência pura, com a base no Black Metal Tradicional, puxado pro Raw, com alguns toques de Thrash e Death Metal também, lembrando bastante os primórdios do estilo. A gravação fez questão de deixar tudo bem seco e reto, misturando a modernidade com a pegada latente do old school. O resultado final é satisfatório e bem típico do estilo, porém, em alguns momentos há uma falta de balanço e o som acaba embolando, as guitarras ficaram um pouco abafadas, principalmente com o vocal mais alto na mixagem – mas com o tempo você acaba se acostumando. As composições são bem variadas, com mudanças de passagens e inclusões de partes acústicas e atmosféricas no violão, bem interessantes por sinal. Na arte da capa existem partes bem bonitas e outras montagens que ficaram um pouco deslocadas, no geral acabou ficando com informação em excesso. Existem bons momentos durante a audição, principalmente nos riffs apocalípticos das guitarras, lembrando uma mistura de Slayer com Black Sabbath (ouça “Slaves Of Christ” e comprove). Os vocais do Márcio são muito bons, agressivos e agudos na medida certa, ganhando pontos extras pelas variações ao longo das músicas. O Crucifixion BR é uma boa banda, tem bons elementos e técnica suficiente para dar bons frutos, mas acredito que a produção do trabalho não tenha ajudado no resultado final. Se você curte Black Metal e valoriza o Metal Nacional, vale conferir e tirar suas próprias conclusões. Potencial eles têm de sobra, ficarei de olho na banda daqui pra frente. Nota: 7,0


Track List:
01. War Against Christian Souls 
02. Crucifixion 
03. Eternal Judgement 
04. Dead Generations 
05. End of a Life 
06. Apocalyptic Sentence 
07. Slaves of Christ 
08. Future Memories of a Hell 
09. In the Shadows of Obscurity 
10. I’m Dead 
11. Soul’s Rupture 
12. Destroying the Fucking Disciples of Christ 
13. Schizo (Venom Tribute)

Contatos: 

Gravadora:
Shinigami Records